Obama in Rio

Gosto do Obama. O discurso de mudança que ele utilizou no processo eleitoral é um dos mais impactantes já vistos no cenário político mundial, muito próximo do I have a dream do Luther King. Também acho que na prática o desafio de restaurar a maior potência num mundo onde superpotências deixaram de existir foi subestimado. E assim, diversas deficiências de gestão foram reveladas, fazendo do Obama uma promessa maior que a realidade, até o momento. Continuo torcendo para que isso se inverta.

Porém no discurso, Barack se demonstrou um dos grandes mestres, talvez comparado ao Hitler que mobilizou milhões em prol de um ideal, mesmo que errôneo. Obama também mobilizou e mobiliza milhares de pessoas, desde o processo eleitoral. Como esquecer o famoso discurso para cerca de 200 mil pessoas em Berlim, ainda durante o processo eleitoral, onde a paz mundial foi apregoada de forma enfática e marcante:

“…o maior perigo de todos é permitir que nos dividam. O muro entre antigos aliados nos dois lados do Atlântico não pode continuar. Os muros entre raças e tribos, nativos e imigrantes, cristãos e muçulmanos e judeus não podem continuar. Esses são os muros que devemos derrubar.”

Porém o poder de mobilização dos discursos de Obama não se mostraram tão fortes como se imaginava e a popularidade do presidente americano, 6 meses depois de eleito, se igualou ao de seu antecessor.

Agora nos deparamos com a visita ao Brasil do presidente americano. E junto com isso, foi marcado um grande encontro onde ele discursará para milhares de pessoas na Cinelândia, no Rio de Janeiro, palco de famosos protestos populares contra a Ditadura Militar. O que o presidente americano tem a dizer para os Brasileiros? Para mim, mais importante do que ele irá discursar é como irá discursar. Com certeza será uma aula de retórica inesquecível e por isso estarei lá. Mas espero que da mesma forma que ele conseguiu fazer milhões de americanos acreditar que “eles podem”, que ele consiga fazer alguns brasileiros crer no grande poder do ser humano que é o poder acreditar.

Howard Ashman: A alma da fera

Howard Ashman 1950-1991

Há 20 anos falecia um dos grandes produtores e letristas dos musicais modernos: Howard Ashman. Dotado de uma incrível sensibilidade e criatividade, ele desenvolveu junto com Alan Menken trilhas sonoras inesquecíveis de grandes clássicos do cinema de animação. Premiado como uma Lenda da Disney, Ashman co-produziu com John Musker em 1989 o filme “A Pequena Sereia”. E ganhou o Oscar de melhor canção por “Under The Sea”. Foi ele quem deu ao filme um “formado Broadway” e transformou a história da sereia na retomada dos grandes clássicos Disney, revivendo o espirito do grande criador Walter Elias Disney.

Porém, paralelo a isso, um outro filme estava sem achar seu tom. A fabula da bela e a fera na França estava perdida em meio a um processo conturbado de produção. E convidado para participar da criação dessa história, Ashman deu ideias como os empregados do tal príncipe transformado em fera também serem enfeitiçados, no caso eles seriam objetos animados. E com diversas outras ideias ele se tornou o produtor executivo. Também ao lado de Menken, esse compôs uma das trilhas mais belas e tocantes de toda a história do cinema. A Bela e a Fera chegou a um patamar onde nenhum outro filme de animação chegou: ser indicado ao Oscar de Melhor Filme. Também o filme foi exibido no Festival de Cinema de Nova York, no Festival de Cannes e foi ovacionado de pé em todo o mundo.

Nos últimos meses da produção de A Bela e a Fera, Howard Ashman estava muito debilitado e teve que se dividir entre o tratamento de saúde e a produção do filme. E antes de ver o filme finalizado, no dia 14 de Março de 1991, ele faleceu por ter o vírus HIV.

Ele também deixou escrita algumas músicas para o próximo filme da Disney: Aladdin. A perda de Ashman vai além a perda de um simples compositor e produtor. Poucas pessoas apresentaram genialidade semelhante ao do próprio Walt Disney e ele era um deles. E a precocidade de sua morte também impactou os artistas da época. Por este motivo, ao final dos créditos do filme temos a seguinte dedicatória “Para o nosso amigo Howard, que deu voz a uma sereia e alma a uma fera”.

 

Um dia feito de vidro

Na véspera do lançamento do novo iPad, que tal imaginar as possibilidades das interações através de vidros como telas de toque

 

Como executar Grandes Ideias?

Por Marla Tabaka, traduzido e adaptado por Eliezer Filho

Boas ideias podem se tornar fraquezas se não forem bem gerenciadas. As mensagens constantes que atravessam a mente dos empreendedores podem incluir pensamentos como: “Eu deveria mexer com isso.” “E se eu errar em alguma coisa grande?” “Tantas ideias, tão pouco tempo” “Eu gostaria de ter dinheiro para  fazer essa ideia acontecer, ela é tão boa.” Estas perguntas geram uma desordem cerebral que trará um caminhão de ideias a um ponto insuportável, antes mesmo de chegar na estrada de viabiliza-las, por isso vamos descobrir como descarregar a carga em excesso!

Nem sempre é fácil para o lado direito, o lado criativo do empreendedor, tomar uma sistemática. Mas é isso que temos que fazer para tirar essas ideias do chão. Então, seja sua ideia sobre um novo produto, marketing, outros fatores de crescimento ou oportunidades organizacionais, aqui estão algumas dicas para que ela avance, ou para tira-las de sua mente, de uma  vez por todas.

Tire ideias da cabeça e coloque no papel. Manter esse brilho todo das ideias no seu cérebro é desgastante – elas tem que sair! Comece classificando as suas ideias entre grandes e pequenas. Categorizar e priorizá-las com base em suas necessidades: Você precisa de receita imediata? Você precisa melhorar a sua marca? Do que você precisa para satisfazer as demandas dos clientes? Ou você simplesmente precisa ter mais diversão, utilizando a sua criatividade em uma nova maneira? Agora escolha UMA ideia (sim, apenas uma) e aplique algumas ou todas estratégias a seguir.

Examine e expanda. Quando a sua idéia está em seus estágios iniciais gera curiosidade  e também pressão. Ao invés de colocar pressão sobre si mesmo para encontrar uma maneira de fazer a ideia funcionar, basta perguntar “e se…”.

“E se essa ideia está no lugar certo agora, o que isso causa de diferente?”
“E se eu pudesse ver essa idéia como algo maior do que é agora, como é que fica?”

Apenas para se divertir, explore as opções dos diversos “e se” como uma criança pode explorar o parquinho infantil. O lúdico pode reduzir o estresse e permitir mais espaço para a criatividade.

Compare a sua ideia ou estratégia com a sua visão e missão. Existe sinergia? Será que realmente se encaixam com seus objetivos a longo prazo? Isso muda alguma coisa de uma maneira que você deve explorar ou não é apenas para confundir a imagem? É muito longe da marca ou ela se encaixa na perfeição com a foto grande?

Às vezes nós temos A “grande ideia” e estamos tão envolvidos na energia de tudo isso que nos levamos a perder de vista a nossa visão verdadeira. Seguindo por este caminho pode levá-lo fora de seu objetivo principal, por um desvio muito acidentado. Você pode ou não acabar no lugar certo!

Aplique os passos da análise SWOT em sua idéia. Desenhe um quadrante em um pedaço de papel ou anote as quatro categorias em seu mapa mental ou quadro branco. Forças (Strenghts), Fraquezas (Weaknesses), Oportunidades (Opportunities) e Ameaças (Threats).

Depois de examinar o seu conceito e listar tudo que você pode pensar em cada uma das quatro áreas, explore os seus pensamentos sobre o seguinte:

Existe perigo de uma força de se tornar uma fraqueza?
Você pode converter uma fraqueza a oportunidade?
As fraquezas podem ser minimizadas ou eliminadas?

Trazer estas informações para avaliar as oportunidades mais promissoras e as questões mais importantes é o lugar onde você vai encontrar o maior valor em uma análise SWOT. Então você pode ter a sua idéia ou levá-la fora de sua mente completamente.

Olhe para as últimas tendências. Se você está trazendo um novo produto ou serviço ao mercado, não é a forma nova, refrescante e criativa que você atende às necessidades dos clientes que importa? Será que suas ideias se destacam ou se perdem em meio ao caos? Novamente, explore suas ideias sem estresse para ver como você pode diferenciá-la ou melhorá-la em comparação as ideias dos concorrentes.

Faça reuniões de Brainstorm com amigos e colegas. Ser um empreendedor sozinho não significa por si só! Não queira levar sua ideia sozinho. Pergunte às pessoas criativas e estratégicas que trabalham com você e permita-se se divertir com eles. Lembre-se que você escolheu a si mesmo para ser seu próprio patrão, pois você ama liberdade. Estar colado às suas ideias de forma estressante transfora tudo em uma experiência não muito agradável!

Aqui está uma ideia divertida – Vá em algum lugar diferente para trabalhar com suas ideias.

Adoro trabalhar no lobby de um hotel decadente ou um café ou livraria que eu nunca estive. De alguma forma, isso cria um novo nível de emoção para o meu planejamento e brainstorming e realmente me ajuda a explorar esse lado lúdico. O que funciona para você?

Todos nós podemos aprender com o exemplo de Steve Jobs

Opinião de um sobrevivente do câncer

Por Graham Bower – www.cultofmac.com


Para pessoas como eu, e os outros 28 milhões que vivem com câncer, personalidades como Steve Jobs são exemplos incríveis. Quando eu fazia quimioterapia, há três anos, fui muitas vezes tentado a pensar “Por que eu?“. Mas aí eu me perguntava, “Por que Steve Jobs? Por que Lance Armstrong?”. Refleti sobre as coisas notáveis que eles alcançaram após o início do tratamento. O seu exemplo inspirador me ajudou muito mais do que eu posso dizer com palavras.

Steve Jobs prefere não falar sobre seu câncer. Ele prefere se concentrar em seu trabalho. Devemos respeitar sua escolha.

Quando alguém não está bem, a última coisa de que precisa é de um monte de gente fazendo alarde sobre isso. E se optar por manter suas questões de saúde para si mesmo, seus desejos devem ser respeitados. Ninguém tem o direito de saber a condição médica de outra pessoa.

Discutir publicamente o estado de saúde de alguém e especular sobre o seu prognóstico édesrespeitoso e desnecessariamente negativo.

Quando eu fiquei doente e fui submetido à quimioterapia, eu tive a sorte de ser capaz de continuar o meu trabalho diário, administrar uma empresa de pequeno porte. O que tornou isso possível para mim foi a força interior, o pensamento positivo e o incentivo da minha família, amigos e colegas em torno de mim, que tinham a abertura de espírito suficiente para se concentrar no que eu poderia fazer, e não naquilo que eu não podia.

Nenhum de nós está imune a doenças ocasionais. Uma em cada seis pessoas no mundo são diagnosticadas com câncer em algum estágio de sua vida (uma em cada três os EUA). Todos nós [que temos a doença] precisamos de espaço para começar bem, do nosso próprio jeito, e com a ajuda de profissionais médicos qualificados.

Se você conhece alguém que está vivendo com câncer, a melhor maneira de ajudá-lo é dar foco nos aspectos positivos, dar-lhes o espaço para lhe contar muito ou pouco, de acordo com sua vontade, e ter a mente aberta sobre o que eles são capazes de alcançar .

O ano de 2011 promete ser incrível para a Apple. Vamos nos concentrar nisso e deixar a oncologia para os profissionais.

Blog no WordPress.com.

%d blogueiros gostam disto: